Geral

Forças Armadas vão permitir alistamento militar feminino pela 1ª vez em 2025

As Forças Armadas do Brasil vão permitir, pela primeira vez na história, que mulheres participem do alistamento militar para ingresso na carreira de soldado. A decisão histórica foi anunciada pelo ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, após conversas com os comandantes militares. A previsão é que as mulheres possam entrar nas fileiras das Forças a partir de 2026.

O alistamento feminino será voluntário e estará disponível para mulheres que completarem 18 anos em 2025. Diferente do serviço militar masculino, o alistamento das mulheres não será obrigatório. Atualmente, as mulheres já podem ingressar nas Forças Armadas por meio de escolas que preparam oficiais, mas sua participação é limitada — apenas a Marinha permite atuação em áreas mais combatentes, como a de fuzileiros navais.

Apesar do consenso entre os chefes militares sobre a inclusão das mulheres, ainda há divergências quanto ao número de vagas que devem ser reservadas para elas. Esse desacerto será resolvido por José Múcio. O ministro da Defesa sugeriu um aumento gradual das vagas para mulheres até atingir 20% das cerca de 85 mil pessoas que ingressam anualmente no serviço militar.

Atualmente, as vagas são distribuídas majoritariamente para o Exército (75 mil), seguido pela Aeronáutica (7.000) e a Marinha (3.000). O Alto Comando do Exército discutiu a proposta de inclusão das mulheres no alistamento militar em sua última reunião, ocorrida entre os dias 13 e 17 de maio. Os 16 generais da cúpula da Força participaram do encontro.

Os estudos do Estado-Maior do Exército sugerem a abertura de 1.000 a 2.000 vagas para mulheres em 2025, priorizando áreas com presença feminina, como hospitais, escolas e bases administrativas. O plano é aumentar gradativamente essas vagas até chegar a 5.000, um número menor que o apresentado por Múcio, que propôs 15 mil vagas para mulheres, representando 20%.

A justificativa para um número menor de vagas iniciais é a incerteza sobre a quantidade de mulheres que buscarão o alistamento militar e a necessidade de ajustes nas instalações, como separação de dormitórios e adaptação de banheiros.

O serviço militar tem duração de 12 meses, podendo ser prorrogado até o limite de 96 meses. O jovem ingressa como soldado e, ao final do período máximo permitido, pode deixar a Força como 3º sargento.

Esta iniciativa marca um passo significativo na inclusão feminina nas Forças Armadas, refletindo uma mudança progressiva na estrutura militar do Brasil e um reconhecimento da importância da participação das mulheres em todas as áreas da sociedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
×