Geral

Pastor Roberto fala sobre os desafios de assumir a presidência do Colei

Em entrevista ao Sou Notícia, o pastor Roberto Eustáquio, da Comunidade Batista Shalom Internacional, falou sobre sua trajetória no ministério sacerdotal e sobre a responsabilidade de assumir a presidência do Conselho Educativo de Evangélicos de Itabirito (Colei).

No último domingo (13), o pastor Roberto Eustáquio, da Comunidade Batista Shalom Internacional, foi escolhido para ser o novo presidente do Conselho Educativo de Evangélicos de Itabirito (Colei). Com a novidade, pastor Roberto terá a tarefa de ser representante de 35 igrejas evangélicas da cidade.

Em entrevista ao Sou Notícia, pastor Roberto fala sobre sua trajetória como pastor em Itabirito e sobre a responsabilidade de assumir a presidência do Colei. Confira!

Quando você se tornou pastor?

Eu fui chamado para a vida ministerial há 32 anos. Desde então, eu assumi como pastor e estou completando 30 anos de ordenação sacerdotal em março. Toda vida pastoreando a mesma igreja. Me converti na comunidade Batista Shalom e tive minha formação, onde estou pastoreando até hoje. Atualmente, estou como ministro auxiliar. Quem está como titular é a pastora Edna, minha esposa. Porém, estou sempre junto nesta batalha de Deus na cidade de Itabirito.

Sua família toda está inserida na igreja?

Graças a Deus. A minha família, eu louvo muito a Deus, está toda na igreja. Meu filho mais velho, Marcelo, é ministro de louvor. O Leandro, meu filho, também é ministro de louvor, toca bateria, teclado, contrabaixo, violino. Já meu filho Leonardo me ajuda no ministério de homens e também é baterista na igreja. Minha filha Raquel toca flauta transversal lá na comunidade também.

Em sua vida e nesse tempo de ministério sacerdotal, quais desafios teve que enfrentar?

Desafios são diversos. Eu vim de uma família carente e, quando criança, não tinha brinquedos e nenhuma regalia. Usava coisas doadas e, hoje, tudo que posso fazer para somar junto com uma sociedade que é boa e hospitaleira, como Itabirito, me coloco à disposição. A comunidade Shalom faz arrecadação de alimentos e faz doação para famílias carentes em Itabirito. Na época de Natal, arrecadamos brinquedos, roupas, agasalhos e com isso entregamos de casa em casa. Aquilo que eu passei antes, vejo que hoje tem muitos outros passando também. Muitos falam sobre a crise. Mas imagina se todas as comunidades cristãs de Itabirito começassem a somar com pelo menos 10 cestas básicas por mês para ajudar os mais necessitados? Seria muito bom. É preciso pensar no bem estar das famílias. Nós, da Shalom, realizamos palestras para casais e restauração de famílias. Hoje, podemos ver que, enquanto 10 casais se casam, 15 se separam. Infelizmente é isso que acontece. As adversidades dentro de casa atrapalham no bom convívio. Algumas pessoas falam que isso é culpa do diabo. Para mim, a culpa é da sociedade que não investe em políticas para que possamos agregar mais unidade no meio da família. Vemos pais enterrando filhos, sendo que deveria ser o contrário pela lei natural. Assassinatos acontecem e isso é culpa da raiz de uma geração. Eu sou de um tempo que os filhos ouviam os pais. Os meus filhos, até mesmo os que são casados, me ouvem até hoje e pedem minhas orientações. Estamos vendo que a sociedade precisa de Deus e de pessoas que tenham o Espírito Santo de Deus e que possam levar a paz para cada família, impedindo que muitas vidas sejam ceifadas. Nossa meta hoje, minha e da pastora Edna, é seguir uma direção que nos orienta a fazer o trabalho que estamos fazendo em Itabirito. Em 2002, nós fizemos um trabalho de doação de para a Policlínica de aparelhos ortopédicos, camas hospitalares, aquelas que eram elétricas e que hoje não vemos mais. Doamos para o Asilo algumas poltronas confortáveis para os idosos. Nós doamos cadeiras de rodas para o padre Miguel levar para o projeto que ele desenvolvia em assistência aos hospitalizados, deficientes e idosos. Doamos uma perna mecânica para o Adilson que tinha uma banca de jornal e que hoje vende cartelas de prêmios. A perna mecânica custou o valor de um carro. Ele escolheu o modelo e conseguiu a perna. Para a irmã dele, demos uma cadeira de rodas elétrica. Por meio do trabalho que Deus nos colocou aqui em Itabirito, temos feito tudo que é possível para ajudar a população de Itabirito. A comunidade Shalom é muito bem aceita em Itabirito. Eu tenho ao meu lado uma esposa que é fantástica. Ela é minha amiga, companheira, excelente mãe. Não tenho do que reclamar.

Você considera que Itabirito seja uma cidade cristã?

Com certeza. Os itabiritenses são cristãos e isso pode ser visto na prática. Cada um expressa da forma que pode e que entende a sua visão.

E como você enxerga a sociedade em relação a fé?

Cada um segue sua fé; aquilo que acredita. Eu já participei de encontros ecumênicos, como num ano em que fui convidado pelo padre Geraldo, na festa da Paróquia de São Sebastião, para prestigiar o evento. Então, eu digo que a fé, aquilo que você carrega dentro de si, e Cristo dentro da sua vida, é o que importa. Se Cristo não for a base da vida, tudo que for feito será em vão. Eu falo bem da minha vizinhança. Há uma adversidade de dons, mas o espírito é o mesmo. Pelo Espírito Santo, temos uma forma de adorar a Deus, não importando o clero religioso. Eu tenho a minha crença e, quando me perguntam qual é minha religião, eu brinco que sou católico apostólico brasileiro. Eu prego a doutrina dos apóstolos. Eu expresso o reino de Deus e amo a todos. Tenho boa convivência com pessoas de todas as denominações religiosas, sem entrar em choque.

Recentemente, você se tornou presidente do Colei. Como foi feita essa escolha e quais são seus planos?

Tudo vai na direção do Espírito Santo.  Me surgiu a oportunidade e o convite para que eu pudesse compor uma chapa. Na direção de Deus e na visão que tenho, aceitei participar. As pessoas que estavam na chapa também me motivaram a assumir esse compromisso. Como o pastor José Alves, com uma folha de serviços prestados, sendo idealizador da Guarda Mirim em Itabirito, sendo que hoje temos chefes de polícia que saíram da Guarda Mirim e que são gratos a essa oportunidade. No dia 7 de setembro, a comunidade Shalom, juntamente com outras igrejas, reconheceu isso ao prestar uma homenagem ao pastor José Alves. Na direção do Colei, meu trabalho maior, dentro da visão do Reino de Deus, é unir todas as comunidades numa só visão. Podemos somar com palestras para casais e treinamentos de novos líderes religiosos em Itabirito. Vamos trabalhar também para que possamos criar a sede do Colei.

Pra finalizar, qual mensagem você deixa para a população de Itabirito?

A mensagem que eu deixo é da palavra de Deus, no salmo 46. Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nos momentos de angústia. Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Há um rio cujo as correntes se alegram na cidade de Deus e Deus está no meio dela e jamais será abalado. Aqueles que confiam no Senhor e serão como os montes de Sião que não se abalam, permanecerão para sempre. Eu creio que a sociedade de Itabirito é abençoada. A comunidade em geral, irmãos católicos, espíritas, protestantes, evangélicos, pode se unir e fazer uma sociedade melhor.

Um comentário

  1. Realmente os “Evangélicos” estão tomando conta do Brasil! A questão é que qualquer um pode fundar sua igreja, ficar isento de pagamento de Imposto de Renda e ficar milionário em poucos anos lavando dinheiro. Isto vale também para a Igreja Católica Apostólica Romana! A Igreja primitiva é aquela que segue o que Cristo disse: “larga as suas sandálias e segue-me …”!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
×